(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Brasil / Ex-secretário do governo Bolsonaro defende privatização de estatais
Salim

Ex-secretário do governo Bolsonaro defende privatização de estatais

‘Guedes é resiliente, mas não percebeu que foi vencido’, diz Salim Mattar

Ex-secretário de Desestatização de Bolsonaro, Mattar defende a privatização das estatais para evitar situações como a interferência do governo em empresas por razões eleitorais

Entrevista com Salim Mattar, ex-secretário de Desestatização

Cleide Silva, São Paulo

Secretário especial de Desestatização e Privatização do Ministério da Economia por 19 meses até agosto passado, Salim Mattar vê a demissão de Roberto Castello Branco da Petrobrás como uma truculência por parte do governo. Ele diz torcer para que CVM, minoritários e investidores abram ações na Justiça, processem conselheiros e o controlador pela interferência na empresa. Ele acredita que o Brasil perdeu o foco e, desse jeito, não pode dar certo.

Em sua passagem pelo governo, Mattar diz ter conseguido vender 84 de um total de 698 estatais e coligadas, e continua defendendo a necessidade de o País privatizar tudo. Sobre o liberal ministro Paulo Guedes, que tem opinião semelhante, afirma que ele “é resiliente, obstinado e determinado, mas não percebeu que foi vencido”.

Leia Também

Após anunciar troca na Petrobrás, Bolsonaro afirma que 'teremos mais' na semana que vem

Após anunciar troca na Petrobrás, Bolsonaro afirma que ‘teremos mais’ na semana que vem

ctv-wnq-mattar

Salim Mattar vê demissão do presidente da Petrobrás como ‘truculência’ e torce para acionistas irem à Justiça Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Como o sr. vê a intervenção do governo na Petrobrás?

Quando um governo faz opção de abrir o capital de uma empresa, captando investimentos de pessoas físicas, jurídicas e de investidores estrangeiros sabe que ela será regida sob o manto do mercado. Se o governo deseja intervir numa empresa, primeiro não deveria ter aberto seu capital. Mas ele pode tomar uma atitude, chamar os minoritários, pagar todo mundo, fechar o capital e fazer o que quiser, como colocar a gasolina a R$ 1. É simples, é seguir a lei. Mas não pode interferir num ativo que tem investimento de milhares de pessoas físicas e jurídicas. Isso traz insegurança jurídica.

Qual pode ser o impacto dessa decisão?

Há um risco muito elevado e iminente de processos porque os conselheiros têm de agir no sentido de proteger a empresa, de fazer o que for melhor para ela e não para o acionista controlador. Estou torcendo para que o mercado reaja e para que CVM, minoritários e investidores abram ações na Justiça, processando conselheiros e o controlador pela interferência na Petrobrás, e acho que isso vai acontecer.

O aumento no preço do combustível, que teria provocado descontentamento entre caminhoneiros, é uma justificativa?

Os caminhoneiros são muito importantes na nossa sociedade, assim como outras funções. Mas é bom ressaltar que não existe greve de caminhoneiros nos EUA, Canadá, Reino Unido e Suécia por que lá não há petroleira estatal. Por outro lado, temos greve  de caminhoneiros na Argentina, Brasil e na França, porque há estatais de petróleo. Quem gera a greve é o próprio governo, não são os caminhoneiros. O combustível brasileiro tem elevada carga tributária, e a Petrobrás fica pagando o pato por isso. Esse problema precisa ser resolvido. No passado, os governos acharam uma forma fácil de conseguir mais impostos, taxaram o combustível e isso precisa ficar mais transparente para a sociedade. A origem do problema é o gigantismo do Estado, que como consequência gerou o aumento da carga tributária, que onerou o diesel e prejudicou o caminhoneiro. A carga tributária tem de ser muito elevada para pagar os 12 milhões de funcionários públicos. Nos últimos 35 anos da social-democracia os impostos passaram de 22% para 35% do PIB. Somando com mais 7% de déficit, vamos para 42% de carga tributária. Temos carga tributária de país de primeiro mundo e prestação de serviços de país de terceiro mundo.

O que pode ser feito para amenizar isso?

A solução definitiva é a redução do tamanho do Estado. Quando candidato, (Jair) Bolsonaro falava em privatização, e o ministro (Paulo) Guedes, que  é liberal, defendia a tese da redução do tamanho do Estado. Me senti motivado a deixar meus negócios para contribuir com isso. Quando cheguei, disseram que havia 134 estatais, mas, como todo mineiro desconfiado, fui verificar e descobri que eram 698 empresas, entre estatais, subsidiárias, coligadas e investidas. Nos 19 meses que permaneci no governo, vendemos 84 empresas por quase R$ 150 bilhões. Mantido esse ritmo, vamos gastar dez anos para vender tudo e todo mundo é contra: servidores, políticos, o establishment – Executivo, Legislativo e Judiciário. Em momentos oportunistas se juntam a eles os sindicatos, fora os empresários criminosos que ficam escondidos atrás de um CNPJ, tipo os empreiteiros durante os governos petistas. O fato é que esse establishment de alguma forma se protege, não quer ser reduzido e coloca todos os obstáculos possíveis para não privatizar.

O sr. acha que acabou de vez o sonho liberal?

O ministro Guedes é resiliente, obstinado e determinado, mas não percebeu que foi vencido. Por exemplo, há quanto tempo a história da Eletrobrás está no Congresso e não consegue autorização? Tem a Casa da Moeda, que eu tentei privatizar e o Congresso disse não, por considerá-la estratégica. Mas ela é uma gráfica. O pior é que daqui a três ou quatro anos vamos vender as máquinas de fazer notas e moedas a quilo em ferro-velho, porque não vai ter mais valor. Essas pessoas que falam que é estratégico são cegas e não conseguem entender que moeda e papel-moeda vão desaparecer em pouco tempo. A China, desde maio do ano passado, só paga os servidores em moeda digital, princípio que outros países vão adotar.

Como o sr. avalia a saída do Castello Branco?

Primeiro, acho que faltou elegância, respeito e consideração pela forma como foi demitido. Isso demonstra uma certa truculência do governo. O histórico da Petrobrás é que os presidentes têm sido substituídos a cada dois anos. Como pode uma empresa dar certo trocando o presidente a cada dois anos? Quero lembrar que há alguns anos saiu o Pedro Parente por problemas parecidos – combustível, greve de caminhoneiro. Repare que os interesses políticos sobre as empresas continuam acentuados. Governos, por favor fechem o capital da Petrobrás e façam o que quiserem, mas respeitem as regras.

O sr. avalia que ele estava fazendo um bom trabalho?

Sim, um excepcional trabalho. Castello Branco estava reduzindo o quadro de colaboradores de forma pacífica e serena. Fez uma revisão estratégica do portfólio de investimentos, pois quanto mais subsidiárias tem, há maior fonte de roubo. Veja os casos da Transpetro, Braskem e outras tantas. Ele estava reduzindo isso, privatizando refinarias, poços de petróleo. Por que substituí-lo? Por uma política de caminhoneiro? No Caso do Banco do Brasil, o ministro Guedes levou para a presidência um grande profissional de mercado. O banco tem agências demais, e agência é uma coisa em extinção. O Nubank nem tem agência e os maiores bancos, como Bradesco, Itaú e Santander, estão fechando parte das suas. Aí o Banco do Brasil foi fechar algumas agências, fez um plano de demissão de 5 mil funcionários – de um total de 100 mil – e imediatamente houve interferência do governo. Fica claro que é porque ele está de olho na eleição de 2022 e não quer ver nada que prejudique sua imagem. E com a Petrobrás se dá a mesma coisa. Acho que a substituição é um retrocesso.

ctv-c5f-bb

Plano de cortes do Banco do Brasil foi travado pelo governo Foto: Divulgação

Há uma saída para essa situação?

Primeiro o governo não deveria ter feito uma intervenção na Petrobrás indicando o presidente. Nada contra o indicado. (Joaquim Silva e Luna) é um general, tem bom currículo, indivíduo de ilibada reputação. Mas eu acho que o mundo das empresas é para quem entende de mercado. Os militares são bem formados, é uma reserva brasileira, tenho grande admiração por eles. Mas, respeitosamente, eles são formados para combater, para defender o Brasil. Acho que é mais uma militarização nas empresas e é um caminho ruim que esse governo está seguindo. De certa forma, quando Bolsonaro busca colocar um militar, está querendo mostrar que quer colocar ordem na casa, mas com o Castello Branco tinha ordem na casa. Acredito que a Petrobrás tenha cerca de 20 mil profissionais a mais do que precisa, ou seja, os governos anteriores incharam a Petrobrás. As estatais são de fato um problema para o governo e para nós pagadores de impostos. Todas  os benefícios que são pagos aos funcionários das estatais são pagos por nós. Se existe tamanha desigualdade e pobreza no Brasil é por causa disso. Por exemplo, tem pessoas no BNDES com salário de R$ 29 mil e os filhos recebem auxílio educação até os 21 anos. Nas periferias das cidades as mães não têm creches para deixar os filhos, mas em todas as estatais têm auxílio-creche. Isso é uma absoluta transferência de renda.

Esta notícia foi lida 37 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*


Popups Powered By : XYZScripts.com