(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Brasil / Bolsonaro quer ver filho embaixador nos EUA
EduardoBolsonaro

Bolsonaro quer ver filho embaixador nos EUA

Com apoio da cúpula do Itamaraty, presidente anuncia a intenção de indicar Eduardo para posto em Washington; ‘eu aceitaria’, diz deputado, que não tem carreira na área

Eliane Cantanhêde, Julia Lindner e Renato Onofre, O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA – Depois de avisar há meses que trocaria o embaixador do Brasil nos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro finalmente deixou claro o porquê da demora: durante todo esse tempo, ele articulava a indicação do próprio filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o posto diplomático mais importante e mais disputado não apenas no Brasil, mas em praticamente todos os países, a embaixada em Washington. Eduardo é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

O presidente só anunciou a intenção publicamente ontem, durante a solenidade de posse do novo presidente da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Ao ser indagado por jornalistas, o virtual futuro embaixador indicou que aceitará a missão. “Se for da vontade do presidente e ele realmente me entregar essa função de maneira oficial, eu aceitaria”, afirmou Eduardo, que, quarta-feira, 10, completou 35 anos – idade mínima para um brasileiro assumir uma representação diplomática no exterior.

Ao falar no nome do filho, o presidente citou atributos que o credenciariam para a vaga, como inglês fluente e canais abertos nos Estados Unidos, inclusive na Casa Branca: “Ele é amigo dos filhos do (presidente dos EUA, Donald) Trump, fala inglês, fala espanhol, tem vivência muito grande de mundo. No meu entender poderia ser uma pessoa adequada e daria conta do recado perfeitamente”.

Para o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, no entanto, a indicação de Eduardo para o cargo poderá ser enquadrada como nepotismo. “Não tenho a menor dúvida (de que é nepotismo). Sob a minha ótica, não pode, é péssimo. Não acredito que o presidente Bolsonaro faça isso. Será um ato falho, um tiro no pé”, disse o ministro ao Estado.

Em 2017, Marco Aurélio suspendeu a nomeação de Marcelo Hodge Crivella para o cargo de secretário da Casa Civil da gestão do pai, Marcelo Crivella (PRB), na Prefeitura do Rio, por entender que se tratava de nepotismo. Uma súmula vinculante do STF veda a nomeação de parentes em cargos públicos, mas ministros da Corte têm entendido que ela não alcança cargos políticos.

Ao ser questionado, Eduardo disse que a indicação é legítima. “A possibilidade (de se configurar nepotismo) pode ocorrer, mas a primeira análise que fizemos aqui é que não se enquadraria nisso. Seria uma indicação igual como de um presidente indicar um ministro. Estaria fora da súmula vinculante. Fora da questão do nepotismo”, afirmou.

Tanto o Itamaraty quanto a Embaixada dos EUA em Brasília reagiram com surpresa ao anúncio feito pelo presidente. Nos bastidores, as avaliações são semelhantes: nos dois locais, a versão é de que Eduardo tem uma grande vantagem, que é ter as portas abertas no Brasil e nos Estados Unidos, onde foi o único brasileiro a participar, inclusive, da audiência bilateral entre os presidentes Bolsonaro e Donald Trump. “Ele conhece todo mundo lá, isso ajuda muito na aproximação, nas relações”, resumiu um embaixador da cúpula do Itamaraty.

Esta notícia foi lida 63 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*