(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Brasil / Desemprego cai para 9,8% em maio e atinge 10,6 milhões, aponta IBGE
CarteiraTrabalho2

Desemprego cai para 9,8% em maio e atinge 10,6 milhões, aponta IBGE

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 9,8% no trimestre encerrado em maio, menor taxa para o período desde 2015, quando foi registrado 8,3%. As informações foram publicadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (30). Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

A população desocupada (10,6 milhões de pessoas) recuou 11,5% (menos 1,4 milhão de pessoas) frente ao trimestre anterior e 30,2% (menos 4,6 milhões de pessoas desocupadas) na comparação anual.

O contingente de pessoas ocupadas (97,5 milhões) foi recorde da série iniciada em 2012, com alta de 2,4% (mais 2,3 milhões) ante o trimestre anterior e de 10,6% (mais 9,4 milhões) ante o mesmo período de 2021.

O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar), estimado em 56,4%, subiu 1,2 p.p. frente ao trimestre anterior (55,2%) e de 4,9 p.p. ante igual trimestre de 2021 (51,4%).

A taxa composta de subutilização (21,8%) caiu 1,7 ponto percentual em relação ao trimestre de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022 (23,5%) e 7,4 p.p. ante o trimestre encerrado em abril de 2021 (29,2%). É a menor taxa para o trimestre desde 2016 (20,5%).

A população subutilizada (25,4 milhões de pessoas) caiu 6,8% (menos 1,8 milhão) frente ao trimestre anterior (27,3 milhões) e 23,8% (menos 7,9 milhões) na comparação anual.

A população subocupada por insuficiência de horas trabalhadas (6,6 milhões) ficou estável ante o trimestre anterior e caiu 11,1% (menos 827 mil pessoas) no ano.

A população fora da força de trabalho (64,8 milhões de pessoas) caiu 0,8% ante o trimestre anterior (menos 506 mil) e 4,7% (menos 3,2 milhões) na comparação anual.

A população desalentada (4,3 milhões de pessoas) caiu 8,0% em relação ao trimestre anterior (menos 377 mil pessoas) e 22,6% (menos 1,3 milhão de pessoas) na comparação anual.

O percentual de desalentados na força de trabalho ou desalentada (3,9%) caiu 0,4 p.p. frente ao trimestre anterior e 1,3 p.p. frente ao mesmo trimestre do ano anterior.

O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado (excluindo trabalhadores domésticos) foi de 35,6 milhões, subindo 2,8% (981 mil pessoas) frente ao trimestre anterior e 12,1% (mais 3,8 milhões de pessoas) na comparação anual.

O número de empregados sem carteira assinada no setor privado (12,8 milhões de pessoas) foi o maior da série. Este contingente cresceu 4,3% em relação ao trimestre anterior (mais 523 mil pessoas) e 23,6% (2,4 milhões de pessoas) no ano.

O número de trabalhadores por conta própria (25,7 milhões de pessoas) manteve-se estável ante o trimestre anterior, mas subiu 6,4% (mais 1,5 milhão de pessoas) no ano.

O número de trabalhadores domésticos (5,8 milhões de pessoas) apresentou estabilidade no confronto com o trimestre anterior e subiu 20,8% (mais 995 mil pessoas) no ano.

O número de empregadores (4,2 milhões de pessoas) cresceu 4,1% em frente ao trimestre anterior (168 mil pessoas) e 16,2% (590 mil pessoas) na comparação anual.

O número de empregados no setor público (11,6 milhões de pessoas) cresceu 2,4% frente ao trimestre anterior e ficou estável na comparação anual.

A taxa de informalidade foi de 40,1% da população ocupada (ou 39,1 milhões de trabalhadores informais) contra 40,2% no trimestre anterior e 39,5% no mesmo trimestre de 2021.

O rendimento real habitual (R$ 2.613) ficou estável frente ao trimestre anterior e caiu 7,2% no ano. A massa de rendimento real habitual (R$ 249,8 bilhões) cresceu 3,2% frente ao trimestre anterior e 3,0% na comparação anual.

Fonteotempo.com.br

Esta notícia foi lida 116 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*


Popups Powered By : XYZScripts.com