(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Brasil / Exército quer distância do conflito político com o TSE
Exercito1

Exército quer distância do conflito político com o TSE

Murilo Fagundes -Poder 360

O Exército viu como positivo o pedido do ministro Paulo Sérgio Nogueira (Defesa) para centralizar demandas da Comissão de Transparência das Eleições. O motivo: a medida afasta o general Heber Garcia Portella, representante das Forças Armadas no grupo, e, por consequência, a corporação do conflito político.

O Poder360 apurou ainda que o alto escalão da força terrestre julgou descabida e desrespeitosa a resposta do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) às sugestões técnicas apresentadas pelo general para as eleições. Teme ter sua imagem associada por grupos da sociedade aos desdobramentos da história, injustos na avaliação de integrantes do Exército.

Tudo colocado, o que se busca no Exército é deixar a negociação política com o Ministério da Defesa. Integrantes da Força afirmam que a missão do general Heber — quem julgam ser competente, técnico e um agente fora da política — já está cumprida. A aplicação ou não das sugestões não é competência da corporação.

O ministro Edson Fachin, presidente do TSE, respondeu na 2ª feira (9.mai) a uma série de recomendações feitas pela Defesa em março deste ano sobre o sistema eleitoral. As sugestões não foram acolhidas.

De acordo com a Corte, contribuições para o processo eleitoral só poderiam ser feitas até 17 de dezembro de 2021. As recomendações da Defesa foram enviadas em 22 de março deste ano. Já o prazo para mudanças nas regras das eleições terminou em 5 de março.

As recomendações do Ministério da Defesa abordam 7 temas. São eles:

  • nível de confiança do teste de integridade das urnas;
  • processo de amostragem aleatório para seleção de urnas que compõem o teste de integridade;
  • totalização de votos;
  • fiscalização e auditoria;
  • teste público de segurança;
  • verificação de irregularidades nos testes de integridade;
  • duplicidade entre abstenção e voto.

Eis a íntegra das recomendações do Ministério da Defesa e das respostas do TSE (9,5 MB).

A resposta diz que a Defesa errou cálculos e confundiu conceitos ao apontar riscos no teste de integridade das urnas eletrônicas. Por isso, negou mudar a forma em que são escolhidas as urnas usadas nos testes e a quantidade de equipamentos examinados.

Internamente, o Exército defende que os estudos partiram de pressupostos diferentes e que não há erro no cálculo.

Respostas

O TSE respondeu cada uma das sugestões apresentadas pelo Ministério da Defesa. Leia um resumo das propostas e as respectivas manifestações da Corte:

1 – nível de confiança do teste de integridade

Defesa aponta que o nível de confiança da amostra de urnas que compõem o teste de integridade seria baixo. Sugere que o TSE elabore 2 tipos de amostras do equipamento, um para as eleições estaduais e outro para as eleições federais.

O TSE disse que houve “substancial  aumento” da amostra de urnas sujeitas ao teste de integridade nas eleições  de  2022, e que a margem de confiança do processo é superior a 99%.

“De outra parte, a adoção de múltiplos planos amostrais fere o pressuposto de independência na seleção das unidades amostrais, dado que a escolha de uma urna eletrônica selecionada em um plano amostral nacional altera a probabilidade de  seleção de todas as demais urnas em uma eventual amostragem em cada uma das UF.”

2 – processo  de  amostragem  aleatório das seções e urnas

Defesa recomenda que as urnas que comporão o teste de integridade sejam sorteadas de forma estritamente aleatória, dentre todas as urnas que serão utilizadas no processo eleitoral.

TSE diz que adotou um critério “mais completo e mais legítimo” pelo procedimento fiscalizatório.

3 – totalização dos votos centralizada no TSE e nos TREs

Defesa pede que seja mantido o processo centralizado no TSE, mas que o método anterior também seja aplicado, com totalização em cada TRE (Tribunal Regional Eleitoral).

TSE disse que a proposta apresentada “contém equívoco” sobre o método de totalização. De acordo com a Corte, a centralização “foi somente de equipamentos”.

“A rigor, é impreciso afirmar que os TREs não participam da totalização: muito pelo contrário, os TREs continuam comandando as totalizações em suas respectivas unidades da federação”.

4 – fiscalização e auditoria

Defesa aponta que uma resolução do TSE restringiria o escopo dos trabalhos de auditoria, e que o Tribunal não distinguiria os termos “auditoria” e “fiscalização”, deixando de prever uma auditoria independente do processo eleitoral.

A Corte disse que a norma citada estabelece “etapas sucessivas que constituem e garantem a auditabilidade do voto e a fiscalização do processo eleitoral pelas partes interessadas”.

5 – teste público de Segurança

Defesa sugere Teste Público de Segurança específico com urnas do modelo de 2020.

O TSE afirmou que a urna de 2020 tem arquitetura de segurança compatível com a de 2015, além de “aprimoramentos importantes que a tornam mais segura  do que o modelo 2015 e anteriores”.

A última edição do teste, em novembro de 2021, usou urnas do modelo de 2015.

6 – procedimentos normativos para verificação de irregularidade

Defesa disse que os instrumentos adotados pelo TSE, caso se encontre alguma irregularidade no Teste de Integridade das Urnas Eletrônicas são “aparentemente insuficientes”.

TSE respondeu que segue em constante “aprimoramento e evolução do sistema eleitoral”, e dará continuidade a estudos “na busca de boas práticas e de soluções técnicas e normativas capazes de ampliar, ainda mais, os métodos de fiscalização e auditoria”.

7 – duplicidade entre abstenção e voto

Defesa recomenda divulgação de relatório de abstenções “a fim de aumentar a superfície de fiscalização do processo eleitoral disponível”, e de dados de óbitos.

TSE disse que, em uma 1ª análise, “não se verifica pertinência na publicação desses relatórios, os quais contêm dados pessoais e são de acesso restrito”. A Corte também afirmou que a proposta poderia desrespeitar os princípios da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais).

Histórico

Em fevereiro, o TSE respondeu a uma série de dúvidas técnicas das Forças Armadas. Em 22 de março, no entanto, novos questionamentos e sugestões foram feitos pela Defesa. A Corte afirma que as recomendações foram enviadas fora do prazo estabelecido pela CTE e que não é mais tempo para “alterações no processo eleitoral”.

Em 5 de maio, o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, pediu que o TSE divulgasse as recomendações. O general justificou a solicitação afirmando que os documentos são de interesse público.

Em resposta dada no dia seguinte, Fachin disse não se opor à divulgação. Afirmou, no entanto, que há documentos classificados como sigilosos pelo próprio Ministério da Defesa.

“Noticio que os documentos remetidos pelo Ministério da Defesa ao Tribunal Superior Eleitoral podem ser colocados ao pleno conhecimento público, sem que haja qualquer objeção por parte da Corte Eleitoral”, disse Fachin.

Nessa 2ª, o TSE emitiu nota dizendo que responderia ao ministério até 4ª feira (11.mai). Poucas horas depois, divulgou as respostas no site do Tribunal.

 

Esta notícia foi lida 43 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*


Popups Powered By : XYZScripts.com