(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Brasil / Prefeitura de SP libera abertura de escolas no dia 1º de fevereiro
sala_aula

Prefeitura de SP libera abertura de escolas no dia 1º de fevereiro

Renata Cafardo e Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

A Prefeitura de São Paulo liberou nesta quinta-feira, 13, a abertura de escolas a partir do dia 1.º de fevereiro. Os colégios poderão reabrir com 35% da capacidade inicialmente. A rede privada será liberada para aulas regulares já no dia 1.º de fevereiro. Nesta data, a rede municipal deve começar com atividades de planejamento dos professores – as aulas presenciais na rede municipal terão início no dia 15 de fevereiro.

Alunos e professores que fazem parte do grupo de risco para a covid-19 não devem retornar. A ideia é que os estudantes façam rodízio para ir à escola e o retorno presencial será opcional aos alunos. Escolas da capital paulista foram fechadas em março de 2020 para conter a disseminação do coronavírus. Durante o ano passado, foi permitida reabertura parcial na rede municipal, apenas para atividades extracurriculares na edução infantil e no ensino fundamental.

O retorno presencial das escolas na capital paulista para todas as etapas de ensino foi antecipada pelo Estadão e comunicada em seguida pela Prefeitura na manhã desta quinta-feira. Desde que assumiu a gestão, o novo secretário da Educação, Fernando Padula, se empenhou na reabertura dos colégios e conversou com grupos de pais, pediatras, cientistas e educadores para embasar a decisão de reabrir as unidades.

Segundo o secretário de Saúde, Edson Aparecido, foram realizados estudos na capital que indicaram que não haver evidências de um papel significativo de crianças na transmissão da covid-19. “A observação das taxas de internação e óbitos também revela taxas baixas que se mantiveram consistentes para essa faixa etária, mas foi preciso que a gente tivesse longo tempo de análise e observação.”

A capital paulista adotou posição mais restritiva em relação à reabertura das escolas na pandemia. Um primeiro retorno parcial, apenas para atividades extracurriculares, só foi autorizado em outubro do ano passado. Apesar do aval do governo estadual para a retomada das aulas, a Prefeitura liberou apenas em novembro a reabertura de escolas para aulas regulares no ensino médio.

Aparecido destacou que a Prefeitura vai fazer o monitoramento da transmissão da covid-19 em escolas sentinelas.  “Vamos escolher na área das 28 unidades de vigilância sanitária uma escola que será acompanhada e teremos todos os dados de alunos, funcionários e pais. Essa escola será referência para nós naquele território”, disse.  “A vigilância sanitária recomenda o retorno escolar seletivo para toda a rede de ensino, com a capacidade de 35% desses equipamentos. É possível que todas as unidades voltem a funcionar, mas com capacidade máxima de 35%.”

O retorno para aulas regulares nas escolas privadas da capital está liberado a partir do dia 1.º de fevereiro. O setor, que registrou quedas de matrículas desde o fechamento no ano passado, fazia pressão pela reabertura. Com o longo tempo sem aulas, parte das unidades particulares de educação infantil na capital acabou fechando as portas.

Na rede municipal, os professores devem voltar à escola para acolhimento e planejamento de atividades a partir do dia 1.º de fevereiro, mas o retorno dos alunos só deve ocorrer a partir do dia 15 de fevereiro.  “O grupo de risco de professores e alunos com comorbidades não volta neste momento. Foram contratados professores temporários”, explicou Padula.

Esta notícia foi lida 43 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*


Popups Powered By : XYZScripts.com