(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Brasil / Vendas do comércio de Ribeirão Preto registram queda em março
Shopping

Vendas do comércio de Ribeirão Preto registram queda em março

 

Vendas do comércio de Ribeirão Preto registram queda em março

Tecidos/Enxoval foi o único setor que apresentou crescimento no período; cartão de crédito continua sendo a principal forma de pagamento

As vendas do comércio de Ribeirão Preto tiveram queda de ­1,99% em março de 2019 quando comparadas ao mesmo mês do ano anterior. É o que aponta a pesquisa Movimento do Comércio, realizada mensalmente pelo Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto e Região (SINCOVARP). Entre as empresas entrevistadas, 54,2% consideraram as vendas deste ano piores do que as do mesmo período de 2018, enquanto 35,4% apontaram o contrário e 10,4% disseram que foram equivalentes.

Setorial – Entre os setores, o único que apresentou elevação foi Tecidos/Enxoval (0,70%). Os índices negativos foram em Eletrodomésticos (5,36%), Cine/Foto (3,19%), Livraria/Papelaria (2,89%), Calçados (2,51%), Vestuário (2,00%), Ótica (1,27%), Móveis (1,20%) e Presentes (0,20%).

Empregos – Com relação ao emprego, o resultado apurado foi de estabilidade, com uma leve retração na média do número de postos de trabalho de 0,01%. Entre as empresas entrevistadas, 95,8% mantiveram seus quadros funcionais inalterados em março, enquanto 2,1% contrataram e outras 2,1%, demitiram no período.

Entre os setores, Livraria/Papelaria reduziu seus postos em 0,70%. Já Eletrodomésticos elevou seus quadros em 0,59% equilibrando o emprego no segmento.

Modalidade de pagamento – No que se refere aos meios de pagamentos utilizados no comércio, o cartão de crédito continua o principal, com 53,40% das transações efetuadas, seguido pelas vendas à vista (33,96%) e a prazo (12,64%), por meio de carnês ou cheques pré-datados.

O segmento com maior utilização do cartão de crédito foi o de Ótica (70,00%), já as vendas à vista aparecem mais no setor de Livraria/Papelaria (56,67%). A grande participação de venda a prazo, por meio de carnês ou cheques pré-datados, aparece em Móveis (24,00%).

Análise – Segundo o economista do SINCOVARP, Marcelo Bosi Rodrigues, responsável pelo estudo, os números retratam o que vem acontecendo com a economia do país como um todo. “O varejo é o segmento final da cadeia produtiva, onde o chamado consumidor final irá adquirir os produtos para sua própria utilização, não visa revenda e nem transformação. Com um universo de 13,1 milhões de desempregados por todo o país, torna-se cada vez mais difícil observar uma reação da economia vinda do varejo”, comenta.

“Neste cenário, a incerteza é o grande fator de engessamento, após as eleições do ano passado havia uma expectativa de que a economia voltasse a crescer, ainda que lentamente, no entanto, o cenário político permanece complicado e os agentes governamentais não dão sinais de sensibilidade com a necessidade de uma agenda acelerada de reformas e sacrifícios. O dinheiro está curto, e ficará mais ainda se a economia continuar parada”, afirma Rodrigues. 

“Como diria meu pai: ‘estão matando a galinha dos ovos de ouro’, que no caso, são os empresários que pagam impostos, mas os políticos parecem não se importar com isso”, finaliza Rodrigues.

Esta notícia foi lida 94 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*