(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Economia / ONU revê para baixo perspectivas para crescimento do Brasil em 2019 e 2020
ONU

ONU revê para baixo perspectivas para crescimento do Brasil em 2019 e 2020

 

Para entidade, Bolsonaro será pressionado a realizar reformas para lidar com déficit público

Jamil Chade, enviado especial, O Estado de S.Paulo

 

DAVOS – A ONU estima que o governo de Jair Bolsonaro será pressionado a dar uma resposta ao déficit público e reduziu a previsão de crescimento para o País em 2019 e 2020. Segundo o informe anual da entidade sobre as perspectivas econômicas, a redução ficou entre 0,4 e 0,6 pontos percentuais em comparação ao que se previa no ano passado. 

A ONU estimava que a taxa de expansão da economia brasileira seria de 2,7% em 2019 e de 2,9% em 2020. Agora, a taxa está em 2,1% para este ano e em 2,5% para o ano que vem. 

 
Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro sofre pressão para aprovar reformas. Foto: Adriano Machado/Reuters – 7/1/2019

A expansão brasileira ficará abaixo da média mundial, que chega a 3% neste ano e em 2020. A taxa nacional é menos da metade da média dos emergentes, que devem ter crescimento de 4,3% em 2019 e 4,6% em 2020. 

O desempenho do PIB per capita também ficará abaixo da média internacional. No Brasil, a taxa prevista é de 1,4% em 2019 e 1,8% em 2020. Ainda que ela seja superior ao aumento de 0,6% de 2018, o crescimento é inferior ao do restante do mundo. 

“No Brasil, o novo governo enfrenta uma forte pressão para consolidar suas finanças públicas, incluindo uma ampla reforma do sistema de pensões”, alerta a ONU. “Em 2018, o déficit público aumentou para cerca de 8,5% do PIB e a dívida geral atingiu 88% do PIB”, indicou o informe, lembrando que a dívida era de apenas 60% do PIB em 2013.  

De acordo com a ONU, a combinação de déficit primário moderado e altos custos com as taxas de juros levou a uma ampliação do déficit fiscal. 

De forma geral, porém, o crescimento brasileiro será superior à média da América Latina. Depois de uma expansão de apenas 1% em 2018, a taxa subiu para 1,7% em 2019 e 2,3% em 2020.

Esta notícia foi lida 100 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*