(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Economia / Venda direta de etanol para postos não deve reduzir preço ao consumidor, dizem representantes do setor
Etanol4

Venda direta de etanol para postos não deve reduzir preço ao consumidor, dizem representantes do setor

A Medida Provisória (MP) editada pelo governo federal que permite que produtores e importadores de etanol hidratado possam comercializá-lo diretamente com os postos, sem intermédio de distribuidoras, não deve ser tão vantajosa, em um primeiro momento, para fabricantes e consumidores, na opinião de quem atua na área.

De acordo com o governo, a mudança deve aumentar a concorrência, reduzindo o preço final do etanol hidratado. O impacto estaria na dinâmica do mercado.

Mas, segundo Antonio Eduardo Tonielo Filho, diretor de uma usina em Pitangueiras (SP), região de Ribeirão Preto, a nova prática demanda mudança na estrutura do fornecedor, o que gera mais custos.

“Em termos de custos, vai passar o custo que a distribuidora tem, de logística e distribuição, para as usinas. Hoje, as usinas não têm condições para fazer isso, é muito difícil, não é o nosso foco de negócio. O nosso foco é produzir etanol, açúcar e energia, não distribuir. As distribuidoras já têm uma estrutura de muitos anos”, afirma.

Além da logística de distribuição, no preço final do combustível, entram o custo de produção e a margem de lucro de quem vende o etanol.

De acordo com o Ministério de Minas e Energia, a cada litro vendido:

  • As usinas recebem 60% do valor;
  • As distribuidoras ficam com 5% a 10%;
  • Os donos de postos ficam com 10% a 15%.

Presidente da Associação Brasileira das Distribuidoras de Combustíveis, Valdemar de Bortoli Júnior concorda que a logística repassada às usinas não influencia a queda do preço repassado ao consumidor.

“Eu acho que essa medida é uma medida inócua, porque pode ser que os postos tenham interesse em comprar das usinas, mas as usinas não têm estruturas de logística, de carregamento de caminhões menores e estrutura de vendas para postos. Acredito que não vai surtir efeito para abaixar o preço do etanol.”

 

 

A nova medida provisória provoca outra mudança — os postos vão poder vender combustível de outras bandeiras.

“O posto que ostenta a marca de uma bandeira vai poder comprar de outras distribuidoras, o que vai, a meu ver, gerar uma maior concorrência e pode diminuir o preço da gasolina e do diesel para o consumidor. São 150 distribuidoras autorizadas aqui no Brasil, então o posto que hoje é obrigado a comprar só da distribuidora que ele ostenta a marca, vai poder ter uma gama muito maior de opções de comprar de outras distribuidoras.”

Esta notícia foi lida 456 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*


Popups Powered By : XYZScripts.com