(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Internacional / Brasil muda posição diplomática e vota a favor de embargo econômico a Cuba
O futuro ministro das Relações Exteriores, embaixador Ernesto Fraga Araújo, concede entrevista à imprensa no CCBB.
O futuro ministro das Relações Exteriores, embaixador Ernesto Fraga Araújo, concede entrevista à imprensa no CCBB.

Brasil muda posição diplomática e vota a favor de embargo econômico a Cuba

Pela primeira vez desde 1992 governo brasileiro se alinhou aos Estados Unidos e rejeitou resolução da Assembleia-Geral da ONU que pede o fim do bloqueio contra ilha comunista

O Brasil votou pela primeira vez nas Nações Unidas a favor do embargo econômico imposto a Cuba pelos Estados Unidos desde 1962. Há 27 anos, os países reunidos na Assembleia-Geral da organização aprovam por ampla maioria uma resolução pedindo o fim do bloqueio americano.

Neste ano, a medida foi adotada com 187 votos favoráveis entre os 193 membros da Assembleia. Além da representação brasileira, foram contra a iniciativa Estados Unidos e Israel. Além disso, Ucrânia e Colômbia, outra aliada do governo de Donald Trump, se abstiveram. A Moldávia não votou. 

Governo Bolsonaro se alinhou ao governo Trump e votou a favor do embargo dos EUA a Cuba na Assembleia-Geral da ONU
Governo Bolsonaro se alinhou ao governo Trump e votou a favor do embargo dos EUA a Cuba na Assembleia-Geral da ONU Foto: Alan Santos/PR – 24/9/2019
 

Desde 1992, a Assembleia-Geral da ONU aprova todos os anos um texto denunciando os efeitos negativos da política americana e pedindo o seu fim – a medida não tem, porém, efeito vinculante.

O Brasil se posicionava a favor da resolução desde que foi apresentada pela primeira vez. Em 2018, o texto foi aprovado por 189 países, com votos contrários apenas dos EUA e de Israel, e sem os votos de Moldávia e Ucrânia.

Alinhamento com os EUA 

Aparentemente, a mudança brasileira se deve mais à tentativa do governo de Jair Bolsonaro em reforçar o alinhamento ideológico com o governo do presidente de Trump do que uma revisão fundamentada da posição diplomática brasileira.

 

Esta notícia foi lida 30 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*