(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Internacional / Equador decreta estado de exceção para conter protestos contra alta de 123% da gasolina
Demonstrators clash with riot police during a transport strike against the economic policies of the government of Ecuadorean President Lenin Moreno regarding the agreement signed on March with the International Monetary Fund (IMF), in Quito, on October 3, 2019. - The Ecuadorean government confirmed possible labour and tax reforms as established in the agreement, Economy Minister Richard Martinez stated -a day after announcing the elimination of fuel subsidies. (Photo by Rodrigo BUENDIA / AFP)
Demonstrators clash with riot police during a transport strike against the economic policies of the government of Ecuadorean President Lenin Moreno regarding the agreement signed on March with the International Monetary Fund (IMF), in Quito, on October 3, 2019. - The Ecuadorean government confirmed possible labour and tax reforms as established in the agreement, Economy Minister Richard Martinez stated -a day after announcing the elimination of fuel subsidies. (Photo by Rodrigo BUENDIA / AFP)

Equador decreta estado de exceção para conter protestos contra alta de 123% da gasolina

O presidente do Equador, Lenín Moreno, decretou estado de exceção em todo o país em meio a protestos contra um aumento de 123% no preço da gasolina. Ao menos 19 pessoas foram presas. Há bloqueio de estradas em Quito e Guayaquil, as duas principais cidades do país. 

O aumento decorre da retirada de subsídios da gasolina, que vigorava no país há 40 anos, depois de o Equador ter fechado um acordo de US$ 2 bilhões com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

A polícia e o Exército foram destacados para proteger o local. O Estado de exceção é válido por 60 dias, prorrogáveis por mais 30. 

Manifestantes ameaçam parar o Equador

Motoristas de táxi e caminhoneiros lideram os protestos. Terminais de ônibus estão fechados. Manifestantes ergueram barricadas com pneus queimados e lixo nas ruas de Quito. 

“Vamos parar esse país até que o governo desista do decreto” ameaçou o líder dos transportistas Abel Gómez. 

Moreno diz que o fim dos subsídios combaterá o contrabando de combustível e incentivará a economia. 

Esta notícia foi lida 68 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*