(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Internacional / Maduro diz que ‘arrebentará os dentes de Brasil e Colômbia’ em caso de agressão
FILE - In this April 12, 2016 file photo, Venezuela's President Nicolas Maduro speaks during the installation of a truth commission, at Miraflores presidential palace in Caracas, Venezuela. Opponents of President Nicolas Maduro promise to flood the streets of Caracas on Thursday, Sept. 1, in a major test of their strength and the government’s ability to tolerate growing dissent. (AP Photo/Ariana Cubillos, File)
FILE - In this April 12, 2016 file photo, Venezuela's President Nicolas Maduro speaks during the installation of a truth commission, at Miraflores presidential palace in Caracas, Venezuela. Opponents of President Nicolas Maduro promise to flood the streets of Caracas on Thursday, Sept. 1, in a major test of their strength and the government’s ability to tolerate growing dissent. (AP Photo/Ariana Cubillos, File)

Maduro diz que ‘arrebentará os dentes de Brasil e Colômbia’ em caso de agressão

Fote: Estadão

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta terça-feira, 14, que a Força Armada do país está pronta para “arrebentar os dentes” de Brasil e Colômbia em caso de uma agressão militar.

“Elevamos a capacidade de defesa da pátria. Conheço os planos imperiais, conheço em detalhes os planos da oligarquia colombiana e de Jair Bolsonaro”, disse Maduro durante discurso anual à nação na Assembleia Nacional Constituinte, composta apenas por chavistas.

“Se eles se atreverem, vamos arrebentar seus dentes para que aprendam a respeitar a Força Armada Nacional Bolivariana e o povo de (Simón) Bolívar”, completou o presidente da Venezuela.

As tensões entre Maduro e Bolsonaro cresceram nas últimas semanas, quando um grupo de cinco militares que a Venezuela acusa de ser responsável por um ataque a um quartel do país iniciaram os trâmites para serem recebidos como refugiados em Roraima.

Maduro já reconheceu que considerou pedir à Força Armada Nacional Bolivariana que capturasse no Brasil os cinco militares, chamados pelo governo chavista de “terroristas e desertores”.

No entanto, Maduro esclareceu que não deu a ordem porque considera o território brasileiro “sagrado”.

Bolsonaro reconhece Juan Guaidó, principal nome de oposição a Maduro, como presidente interino da Venezuela desde fevereiro do ano passado.

Esta notícia foi lida 57 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*