(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Internacional / Maduro vendeu 7,4 toneladas de ouro venezuelano na África, diz jornal dos EUA
Maduro1

Maduro vendeu 7,4 toneladas de ouro venezuelano na África, diz jornal dos EUA

 

Mercadoria foi negociada pelo valor de US$ 300 milhões, enviada à Uganda em um avião russo

Redação, O Estado de S.Paulo

NOVA YORK – O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, vendeu em março 7,4 toneladas de ouro procedente das reservas do país – por um valor de US$ 300 milhões – para refiná-lo na África e assim evitar as sanções americanas, afirmou nesta terça-feira, 18, o jornal The Wall Street Journal.

Nicolás Maduro

 
Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro Foto: Palácio Miraflores / Reuters

Segundo revelou o jornal, o metal precioso viajou da Venezuela até Uganda em um avião russo, onde a carga estava identificada como propriedade do Banco Central do país, para seu refinamento antes de ser exportado ao Oriente Médio, de acordo com fontes diplomáticas e policiais de ambos países.

 
 

A liquidação das reservas de ouro é uma das maneiras de Maduro de se manter à frente do governo, asseguraram tais fontes, em meio à disputa interna por poder que trava com o chefe do parlamento, Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países, incluindo o Brasil.

Os Estados Unidos impuseram sanções à venda do ouro venezuelano em novembro do ano passado. Entretanto, desde então, o metal continuou sendo colocado à venda em segredo.

Uma amostra são os dois envios de 3,8 e 3,6 toneladas a Uganda para o tratamento e posterior envio ao Oriente Médio, com a Turquia como destino final.

Como intermediário atuou uma empresa de Dubai chamada Goetz Gold, embora a companhia tenha afirmado que tal carga não foi enviada a Ancara.

Apenas o primeiro lote desapareceu, enquanto o segundo foi interceptado pela polícia ugandense, que identificou os lingotes com rótulos que certificavam sua procedência venezuelana e que os datavam da década de 1940.

Contudo, três semanas depois da apreensão, o procurador-geral do país ordenou a liberação da carga, cujo rastro se perdeu.

Esta não seria a primeira carga enviada neste ano, uma vez que em janeiro teria ocorrido o envio de 20 toneladas, segundo denunciou o opositor José Guerra, antigo economista do Banco Central.

Isto fez com que o assessor de segurança nacional americano, John Bolton, advertisse Turquia e Emirados Árabes a não comprar da Venezuela estes bens “roubados do povo venezuelano pela máfia de Maduro”. / EFE

Esta notícia foi lida 256 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*