(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Internacional / OMS afirma que ‘talvez nunca exista’ uma vacina contra covid-19
FILE PHOTO: Director-General of the World Health Organization (WHO) Tedros Adhanom Ghebreyesus attends a news conference at the United Nations in Geneva, Switzerland, August 14, 2018.  REUTERS/Denis Balibouse/File Photo
FILE PHOTO: Director-General of the World Health Organization (WHO) Tedros Adhanom Ghebreyesus attends a news conference at the United Nations in Geneva, Switzerland, August 14, 2018. REUTERS/Denis Balibouse/File Photo

OMS afirma que ‘talvez nunca exista’ uma vacina contra covid-19

Mílibi Arruda, O Estado de S.Paulo

O diretor-geral da Organização Mundial Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou nesta segunda-feira, 3, que vacina ou cura para a covid-19 podem não se tornar realidade. De acordo com a entidade, há 164 vacinas em desenvolvimento: 25 estão em fase clínica e 139 em pré-clínica.

“Não existe bala de prata no momento e talvez nunca exista”, disse o diretor-geral. Ele acrescentou que,  no momento, há imunizações na última fase de testes, mas existe a possibilidade de que nenhuma dessas ofereça proteção da forma esperada.

Diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom, durante coletiva de imprensa para atualização da situação da covid-19, em Genebra, na Suíça
Diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom, durante coletiva de imprensa para atualização da situação da covid-19 Foto: Fabrice Coffrini/Pool via REUTERS/File Photo

“Há preocupação de que talvez não tenhamos uma vacina que funcione. Ou que a proteção oferecida possa durar apenas alguns meses, nada mais”. Tedros declarou que não é possível saber até que se concluam os testes. No entanto, disse que ainda existe esperança e que os estudos estão sendo desenvolvidos a uma velocidade sem precedentes.

Ele também esclareceu que a maioria da população permanece vulnerável à infecção mesmo em países que lidaram com surtos graves. No geral, segundo a organização, estudos sorológicos mostram que menos de 10% desenvolveram anticorpos contra o vírus, indicando que tiveram a doença. A prevalência pode ser maior em meio a alguns grupos, como profissionais de saúde.

Esta notícia foi lida 66 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*


Popups Powered By : XYZScripts.com