(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Local / 13º salário deve injetar cerca de R$ 40 milhões na economia de Orlândia
SupermercadoMaiszena

13º salário deve injetar cerca de R$ 40 milhões na economia de Orlândia

Dados da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) apontam que o índice de confiança do consumidor avançou pelo terceiro mês seguido, com variação de 1,1% de setembro em relação a outubro. A análise com o mesmo período do ano passado aponta crescimento ainda maior, de 5%.

O cenário positivo se reflete na preparação dos lojistas, com estoques cheios para a movimentação mais intensa já a partir de novembro, quando acontece a Black Friday.

“A gente já percebe uma movimentação antecipada com a primeira parcela do 13º salário e isso vem ajudando. O pessoal sabe que dezembro é um mês mais movimentado e eles antecipam a compra. Contratamos mais quatro pessoas para atender a demanda”, afirma a gerente Jéssica Peccia.

Lojistas se preparam para vendas aquecidas no fim de ano em Ribeirão Preto, SP — Foto: Reprodução/EPTV Lojistas se preparam para vendas aquecidas no fim de ano em Ribeirão Preto, SP — Foto: Reprodução/EPTV

Lojistas se preparam para vendas aquecidas no fim de ano em Ribeirão Preto, SP — Foto: Reprodução/EPTV

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram que Ribeirão Preto foi a segunda cidade do estado a gerar mais empregos entre janeiro e setembro deste ano. Entre os setores da economia, o de serviços foi o maior responsável pela ascensão dos números do emprego em Ribeirão Preto, com 4.125 oportunidades abertas.

“Quando o consumidor está com medo do desemprego, com medo da inflação, está inseguro, a tendência dele é comprar menos. As pessoas vão adiando as compras e até os desejos. Quando ele está otimista, ele começa a dar os passos em relação ao consumo”, afirma o gestor da Acirp Eduardo Molina.

De acordo com o economista José Rita Moreira, apesar do cenário otimista com o uso do dinheiro extra, o consumidor deve calcular as dívidas já adquiridas e o quanto pretende gastar no fim do ano para não começar 2019 com problemas no saldo bancário.

“Aquela máxima continua valendo a pena: primeiro tentar pagar as dívidas, sanar tudo o que tem, não entrar em novas dívidas nesse momento porque o início do ano traz uma série de despesas que nós sabemos muito bem quais são. A partir disso, é tentar ser feliz, fazer compras na medida da capacidade, não comprar por entusiasmo.”

Esta notícia foi lida 152 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*