(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Política / Procuradoria mira compra e venda milionária de ‘quatro Portinaris’ por offshore da filha de Serra
BRASÍLIA,DF,28.09.2017:SENADO-AFASTAMENTO-AÉCIO - O senador José Serra durante sessão plenária do Senado, em Brasília (DF), nesta quinta-feira (28), que discute a decisão do Supremo Tribunal Federal de afastar o senador Aécio Neves (PSDB-MG). (Foto: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress)
BRASÍLIA,DF,28.09.2017:SENADO-AFASTAMENTO-AÉCIO - O senador José Serra durante sessão plenária do Senado, em Brasília (DF), nesta quinta-feira (28), que discute a decisão do Supremo Tribunal Federal de afastar o senador Aécio Neves (PSDB-MG). (Foto: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress)

Procuradoria mira compra e venda milionária de ‘quatro Portinaris’ por offshore da filha de Serra

Paulo Roberto Netto e Rayssa Motta

O Ministério Público Federal mira suposta compra e venda de quatro obras de Cândido Portinari pela offshore Dortmund, gerida por Verônica Serra, filha do ex-ministro José Serra (PSDB) e alvo de investigações da Lava Jato sobre lavagem de propina. A transferência teria sido feita pela Hexagon, offshore controlada pelo empresário José Amaro Ramos, acusado de usar contas no exterior para fazer repasses ao tucano.

A informação consta em pedido de reconsideração apresentado pela Procuradoria contra decisão do juiz Diego Paes Moreira, 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, que autorizou as diligências.

De acordo com o MPF, as buscas na casa de Serra poderiam ‘elucidar’ uma transação de 326 mil euros da Hexagon, de José Amaro Ramos, para a Dortmund, de Verônica Serra, para a compra e venda de ‘quatro portinaris’.

“Assim, é possível esclarecer na busca se há a existência de lavagem de dinheiro em favor de José Serra por meio de obras de arte, com o respectivo pagamento no exterior, ou se trata-se apenas de uma justificativa formal para a transferência”, afirmou a Lava Jato. “A presença de obras de arte na residência de José Serra que possam ter sido utilizadas para a lavagem de ativos de origem ilícita não é, portanto, mera suposição, mas sim algo de alta probabilidade e que justifica a medida visada”.

O juiz Diego Paes Moreira aceitou os argumentos do Ministério Público Federal e autorizou as buscas contra Serra, destacando que ‘em algumas oportunidades as operações financeiras suspeitas apresentam como justificativa a suposta negociação de obras de arte’. O magistrado, porém, autorizou somente a busca por registros das transações, negando apreensão de peças artísticas.

Esta notícia foi lida 69 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*


Popups Powered By : XYZScripts.com