(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Agronegócio / Supersafra derruba valorização das terras agrícolas em 2023, depois de um ciclo de alta

Supersafra derruba valorização das terras agrícolas em 2023, depois de um ciclo de alta

Por Márcia De Chiara

A combinação entre a supersafra de grãos, os juros ainda elevados e a queda na cotação das commodities no ano passado interrompeu um ciclo de supervalorização do preço da terra para cultivo agrícola, iniciado em 2020. Em três anos, entre 2020 e 2022, a valorização foi de 59,9%. No ano passado, no entanto, houve uma freada: o aumento real nas terras usadas para cultivo foi de 3,2%, descontada a inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) da Fundação Getulio Vargas. Os números constam de uma pesquisa da consultoria S&P Global Commodity Insights

No caso das terras para pastagens, a situação foi um pouco diferente: o avanço, em termos reais, foi 12,9%. Nesse caso, entre 2020 e 2022, o crescimento havia sido de 42,7%.

Para especialistas, uma das principais explicações para isso é a rentabilidade da safra agrícola. No caso da soja, o principal produto do agronegócio brasileiro, a rentabilidade em 2022/2023 ficou próxima dos níveis históricos, mas inferior às duas safras anteriores, principalmente por causa do aumento de custos de capital. O milho também teve rentabilidade baixa. Isso acabou pesando no preço das terras, diz o relatório da consultoria, que pesquisou preços com a corretores e agentes de mercado em 133 regiões do País.

Esta notícia foi lida 119 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*


Popups Powered By : XYZScripts.com