(16) 3826-3000
(16) 9.9995-9011
Home / Política / Política se transforma em território de desequilibrados, ávidos por exibir um barraco em rede social

Política se transforma em território de desequilibrados, ávidos por exibir um barraco em rede social

Política se transforma em território de desequilibrados, ávidos por exibir um barraco em rede social

Premiados nas urnas pela falta de educação e pelo desprezo por quem pensa diferente, políticos e movimentos transformam debate de ideias em ringue na Câmara e nas ruas

Por Ricardo Corrêa

Basta passear pelo noticiário político apenas desta terça-feira, 5, para se chegar à triste conclusão de que, cada dia mais, a política tem se transformado em um território dominado por desequilibrados, ávidos por exibir um barraco do qual fazem parte nas redes sociais. Com celular em punho ou nas mãos de assessores, políticos ou potenciais candidatos estão por aí arrumando encrenca para insuflar hordas que fazem da política um espaço de total falta de diálogo. Em um país em que a filiação partidária se dá em razão do ódio ao adversário, pouco importa o projeto que representam, mas o barulho que conseguem fazer.

Dois autênticos representantes da baixaria em que se transformou a política brasileira quase foram às vias de fato nesta terça na Câmara dos Deputados. Nikolas Ferreira (PL) e André Janones (Avante), à direita e à esquerda, foram os dois deputados federais mais votados de Minas Gerais nas últimas eleições. Suas campanhas foram baseadas, historicamente, nos berros nas redes e em eventos públicos, em muita dose de ironia, deboche, desrespeito e notícias falsas ou distorcidas. Foram premiados nas urnas e, por esta razão, não encontram motivos para mudar.

A  reunião que rejeitou o pedido de cassação de Janones pela prática de rachadinha – abrigou um bate-boca entre o relator, Guilherme Boulos (PSOL-SP)  e o Pablo Marçal (PRTB), que não é deputado apesar do broche que carrega, mas estava lá para fazer o papel a ele designado nas tratativas com o ex-presidente Jair Bolsonaro que é o papel de encrenqueiro.

Também por lá se viu Zé Trovão – deputado que se elegeu após fazer campanha por um golpe de Estado parando estradas do país – partir para a briga com assessores do mesmo Janones. Só não bateu em ninguém por ter sido segurado justamente por Abílio Brunini (PL-MT), deputado de presença marcante em atritos no parlamento mas que, dessa vez, ocupou lugar na “turma do deixa disso”. Por ali também sobrou um chute na canela de Rogério Correia (PT-MG), deputado que trocou socos com um deputado bolsonarista no palco de sua posse em 2018.

No mesmo dia em que parlamentares caminhavam pelos corredores como crianças de quinta série apartadas por colegas, o deputado Eder Mauro (PL-PA), também figurinha repetida em barracos na Câmara (e que teria sido o autor do chute em Correia), ameaçava e trombava com um militante político que foi lá só para disparar críticas contra Bolsonaro. Em meio à confusão, aparece um folclórico deputado, pastor, sargento… Isidório (Avante-BA), com uma bíblia na mão, gritando para que a briga parasse.

Nem um problema de saúde de uma parlamentar de 89 anos foi capaz de acalmar os ânimos

Na confusão aparece ainda  apoiadora da direita que filmava e provocava na Comissão de Direitos Humanos da Câmara, abrindo margem para nova discussão. A deputada Érika Hilton (PSOL-SP) e outros parlamentares e assessores bateram boca com a mulher não identificada acusando-a de não abrir mão das provocações nem àquela altura.

A própria Erika Hilton também mostrou repertório de baixo nível em discussão com a deputada Julia Zanatta – aquela que um dia ostentou uma foto com um fuzil e uma referência a Lula –, dizendo que a colega seria “feia”, “ultrapassada” e que precisava “hidratar o cabelo”. E aí ouviu Nikolas – aquele que já vestiu uma peruca para atacar mulheres trans,  repetir o roteiro transfóbico do qual se orgulha: “pelo menos, ela é ela”.

Também nesta terça soubemos que, dias antes, justamente durante a Parada LGBTQIA+, cujo lema é o respeito às diferenças, o ex-deputado Jean Wyllys jogou cerveja na pré-candidata a vereadora Amanda Vettorazzo, ligada ao MBL. Os dois também já figuras famosas de barracos filmados nas redes. Ele, por cuspir em Bolsonaro na fatídica sessão do impeachment de Dilma Rousseff após o então deputado e hoje ex-presidente exaltar um torturador em seu voto. Ela, especialista em invadir eventos de público à esquerda para provocar militantes adversários, criar brigas e alavancar sua campanha. Em um deles, levou um tapa no evento de 1º de Maio organizado pelas Centrais Sindicais.

Sobretudo após Jair Bolsonaro fazer de seu destempero a principal plataforma eleitoral para se tornar presidente, tendo êxito, políticos fazem o que seus eleitorados pedem ou praticam. Sem constrangimentos.

Nesta terça-feira, o MST reivindicou o ataque  feito por vândalos mascarados à sede do PL. É triste perceber que um movimento considere legítimo e democrático vandalizar a sede de um partido que vota contrário a seus interesses.

A política, neste caso, acabou virando caso de polícia, como se deu, também nesta terça, com a detenção de pessoas que distribuíam jornais proibidos feitos pelo PT e pelo PSOL com ataques ao prefeito Ricardo Nunes (MDB) em São Paulo. Nunes, que chama seu adversário de “invasor de propriedades” e “amigo do Hamas”. É o nível a que estamos sujeitos. E que deve se agravar na campanha eleitoral deste ano.

Vence quem humilhar o adversário ou destruí-lo. Qual o próximo passo?

 

Esta notícia foi lida 33 vezes!

Autor redacao

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*


Popups Powered By : XYZScripts.com